Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Já tenho cebolas!

Uma nova fase da vida, um velho amor.

Já tenho cebolas!

Uma nova fase da vida, um velho amor.

Amar em tempos de Covid

5cd95cac3edb06baf2a968c843651c3c.jpg

Quando a pandemia começou não havias tu.

Nem sonhava conhecer-te ou sequer pensava ter uma relação real.

Havia conversas online com gente até interessante mas de longe, gente parva por quem me interessei, gente a quem acedia através da internet.

Gente. Não passou disso.

Inesperadamente nas vindimas cruzámos caminhos e nunca mais nos largámos.

Moramos a 45km. É já aqui ao lado.

Se não fosse o Covid, era fácil sonhar com um futuro para nós. Com o Covid tem sido aterrador.

Quando saiu a limitação de circulação entre concelhos caiu-me tudo....

Vão ser 5 dias terríveis.

Deixei de ver noticías, já não consigo.

A realidade é deprimente e o futuro não se vislumbra melhor.

Resta-me o teu abraço enquanto conseguir ter-te comigo e rezar por dias melhores.

Não te quero perder nem por nada.

E que Deus e a Ciência nos ajudem.

Agora a sério...

original (8).jpg

Gente que se põe na conversa enquanto estão a espera para ser atendidas, quando estão a ser atendidas, depois de serem atendidas....!

Gente que empata a circulação, que provoca ajuntamentos só pelo belo prazer de dar ao chinelo!

Ir de manhã a uma farmácia ou a um supermercado não é mesmo boa ideia.

Além do número de pessoas, é a eternidade que se espera para ser atendida!

Não estou a reclamar por mau feitio, é mesmo pela falta de civismo e respeito, mas sobretudo por uma questão de saúde pública.

Isto ainda não acabou, longe disso.

Haja bom senso, minha gente, é circular!!!

O reverso da medalha.

IMG_20200218_162958.jpg

Aproximam-se tempos dificeis.

A crise de que o Presidente Marcelo falou recentemente, a tal crise que ainda não se notava muito no Douro...

Daqui por diante vai notar.

Com o cortar das pontas na vinha, acaba o grosso do trabalho, até a vindima.

Boa parte da mão de obra vai parar, e este ano não há os empregos de verão que muitos colegas arranjavam, porque o trabalho é sazonal mas a vida faz-se todos os dias.

Temo pelas dificuldades que muita gente vai passar.

Antes do confinamento, éramos 23 pessoas a trabalhar.

Durante, o mínimo fomos 7 e o máximo 10.

Presentemente, e já com o trabalho a mingar, somos 14.

Sinto que toda a gente olha para o lado, sinto que há um real receio de ser mandado embora.

Ninguém anda feliz com a perspetiva de ficar sem trabalho.

E nós, somos aquele complemento ao dito pessoal da "casa" nas quintas, chamam se necessário, e em maré de contenção de custos, somos um luxo que se evita.

Não há dinheiro.

Há reduções de benefício, há crise real a espreita, há ansiedade.

Há medo. Muito medo.

Acho que mais do que nunca, o Douro tem que resistir porque por muita mecanização, o Douro é e será as pessoas.

E as pessoas do Douro querem trabalhar.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais visitados

  • Em segredo

    27 Outubro, 2020

    Porquê... Porque é que a vida te leva para longe dos meus braços, a cada dia que amanhece? (...)

  • Atão, como é?

    16 Julho, 2020

    1_"sou homem peludo avantajado e procuro so rapariga de maior idade do alentejo para prazer (...)

  • Tu.

    14 Julho, 2020

    Deixas-me sem jeito. Tropeço nas palavras, nos meus próprios pés, na minha timidez. O (...)

  • E tu, e esse teu charme...

    15 Maio, 2020

    A facilidade com que me entrego a ti é irrisória. Não precisas de me tocar para te querer, (...)

  • Para o jeitoso do fim de semana passado, mais um q...

    12 Maio, 2020

    Passei boa parte da noite assim, a ver-te dormir, estudando-te os traços da fisionomia por (...)

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D