Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Já tenho cebolas!

Uma nova fase da vida, um velho amor.

Já tenho cebolas!

Uma nova fase da vida, um velho amor.

A gravidez

unnamed (7).jpg

Calma, não estou grávida.

Mas estava entusiasmada com um bebé que aí vinha, ajudando no que pude, como pude, vivendo um bocadinho essa fase tão mágica para qualquer mulher.

Depois chegou a mensagem.

E caiu-me tudo.

A gravidez ainda era recente, sabíamos que havia esse risco mas...

A felicidade era tanta que nunca pensámos no pior.

Mas aconteceu.

A terrível notícia do aborto espontâneo...

Resta tentar reconfortar, continuar cá para o que der e vier.

E superarmos a perda..

Que dia...

 

porque esta noite queria ter-te aqui

unnamed (6).jpg

Não vale a pena andar com floreados.

Sentir falta de alguém importante é complicado de gerir.

Parece que de repente tudo faz lembrar a pessoa, tudo nos leva até ela, relembra dela...

Daí a surgir a saudade é um instante.

E quando o afastamento é súbito, tentar perceber a razão.

Será que a culpa foi maioritariamente nossa?

Será?

A mente bloqueia, o coração não entende, o universo não ajuda...

E eu só queria ter-te aqui.

Olhar-te nos olhos para te poder enfim entender.

Pedir desculpa e envolver-te num abraço, choramingar de alívio e acabarmos a gargalhada pela figurinha.

Acabar a noite perdida de mim e cada vez embrenhada em ti, nas tuas certezas, nas tuas curvas...

Amanhecer contigo ao lado e ter a certeza de que já passou.

Mas não, ainda não passou.

E eu não sei que faça...

Só sei que te queria ter aqui.

 

O tormento

transferir (3).jpg

Mais um incêndio. 

A paisagem noturna ontem era assustadora.

Duas linhas de fogo, mais a que não se vislumbrava do lado de cá, por sinal, a maior.

Toda a gente em pânico.

Toda a gente perdeu haveres para o fogo.

O ar era irrespirável, logo pela manhã. Em conjunto com o calor, tornava o trabalho quase um sacrifício.

Não se via mais do que 200 metros a nossa frente. Vários reacendimentos.

Não sei o porquê, sei que raro é o ano em que uma das fragadas que delimitam o vale, arde. E lá volta a repetir-se o tormento e sobretudo, lá volta o luto a paisagem.

Gostava de perguntar a quem ateia fogos, o porquê.

Não entendo.

Trabalhar na natureza tem-me feito entendê-la, e cada vez mais, respeitá-la.

Devia ser mentalidade geral. 

Todos respiramos o mesmo ar. É não esquecer isso.

Quando a saudade bate a porta

unnamed (5).jpg

Preciso de ti.

Preciso de ti como do ar para viver, ou das pernas para caminhar...

Nada disto faz sentido.

Assim, agora...

Este vazio faz doer até a alma.

Esta saudade mata-me por dentro.

Mas quem sou eu para te pedir para voltares?

Que direito tenho eu disso?

Nunca chegou a ser mais do que a nossa cena estranha..

Mas...

Merda!

Eu amo-te....

E de repente tornaste-te o sentido.

E de repente tornei-me eternamente responsável por aquilo que cativo.

 

E eu, sempre tão segura de mim...

tumblr_e0f63c7268bd724d3481c774274a6505_8960c01f_6

E eu, tão jovem, esbanjadora de saúde, resistente a calor e frio, capaz de segurar a bexiga dias inteiros, comer porcaria sem se notar na pele e no físico. E eu, essa força da natureza indestrutível, inolvidável, corajosa e indomável, capaz de dobrar preconceitos e estereótipos.

E eu sempre tão segura de mim...

Afinal sou humana e também falho. E essas falhas estão a apagar muito do que conquistei. Stress que causa mais stress.

Falhas de memória e um cansaço quase crónico, o quadro é este. Se não usasse método contraceptivo até podia pensar em gravidez e mesmo assim sei lá...

Ando preocupada. Não me sinto com cabeça para nada, são problemas atrás de problemas. 

Lutei tanto para construir uma reputação quase imaculada profissionalmente e agora vejo tudo a ir-se, assim. Parece uma espiral sem fim.

E eu, tão segura de mim...tão perdida sem saber o que se passa. :(

Porque ás vezes não dá.

12236292954_d005f762ce_b.jpg

Estou cansada e sem vontade de sorrir.

Pesa-me o cansaço do dia que já percorri e o que ainda falta. Pesa-me as coisices dos outros e as minhas. Pesa-me o mundo nas costas.

Sinto-me só.  Dá paz mas é tão triste.

Há uma serenidade na tristeza que é quase mórbida. A tristeza não é momentânea, como a raiva. É companheira, vai ficando.

Se a alegria sabemos que é efémera, a tristeza parece infinita. E vai embora mais depressa do que se espera. Felizmente.

Não me apetece regatear abraços ou conversas. Só quero estar assim, na minha, sossegada, a ver se aparece uma inspiração súbita para o jantar.

Está tudo bem. Estou só cansada.

O dia a terminar...

original (1).jpg

E que dia.

Cheio de vistas bonitas, de gente simpática, de aconchego.

De sorrisos.

De muito mistolin e um gingado de ancas esquisito, ao som duma banda sonora que vai do rock indie ao perreo, mas que se lixe, a casa está mais bonita.

Agora preciso de limpar as ideias, mas aí não há mistolin que me valha.

Isto anda mau: duas entradas diretas para o arquivo morto, as duas hipóteses que tinha em aberto. Logo assim, tau.

Um, ficou assustado quando lhe pedi repeat da noite.

O outro abalou lá para terras gaulesas com a dita ex namorada que afinal ainda não é tão ex assim.

O badoo anda muito rasca até para o nível do badoo.

Mas pronto.

Valha-me uma boa noite de sono, bem dormida  e bem sonhada.

Até amanhã :)

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mais visitados

  • Já tenho cebolas!

    31 Outubro, 2020

    Já tenho cebolas, uma casa, carta de condução e um amor verdadeiro. Por isso é altura de (...)

  • Ancestrais

    31 Outubro, 2020

    Tenho ascendência africana, pelo lado materno. Não nasci com carapinha como a minha tia e (...)

  • O amor nos anúncios

    27 Outubro, 2020

    Nos anúncios há... Gente incoerente: " SENHO CASADO MUITO SERIO GOSTAVAT DE TER UMA AMIZADE (...)

  • Em segredo

    27 Outubro, 2020

    Porquê... Porque é que a vida te leva para longe dos meus braços, a cada dia que amanhece? (...)

  • Para o jeitoso do fim de semana passado, mais um q...

    12 Maio, 2020

    Passei boa parte da noite assim, a ver-te dormir, estudando-te os traços da fisionomia por (...)

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D